Move That Jukebox!


Os festivais do final de semana by Neto

Nesse final de semana aconteceram três festivais super legais: O T In The Park (na Escócia), o Oxegen (na Irlanda) e o Norway Rock (na Noruega, dã). Bem, sobre esse último a única coisa que tenho pra falar é que duas pessoas foram encontradas mortas na área do festival – a polícia diz que a morte foi por sufocamento. Você poderia viver sem isso, mas é que eu definitivamente adoro essas estatísticas de festivais (não que eu goste de saber que pessoas morreram).

Wombats no T In The Park 2008

Já somando as estatísticas do T In The Park com as do Oxegen, o número de pessoas hospitalizadas passa de duzentos, o de presos é maior que vinte, e poucas mortes ocorreram. Entre todos esses casos, alguns tiveram atenção especial da imprensa local e precisam ser citados aqui. Confira.

O ônibus

Antes mesmo do Oxegen começar, um ônibus que se dirigia ao local com algumas pessoas simplesmente pegou fogo, em Dublin. O acidente causou alguns problemas de trânsito, mas não foi registrado nenhum ferimento grave.

Os estupros

Também no Oxegen, duas pessoas registraram queixa de estupro. Uma pessoa foi levada a delegacia mas logo foi liberada, sem pagar multa.

O esfaqueamento

Me parece que os criminosos se dividiram entre o Oxegen e o T In The Park. No último dia do T, um rapaz com cerca de 20 anos foi esfaqueado, e diz que duas pessoas foram autoras do ataque. Por ora, ninguém foi responsabilizado pelo crime, que deu ao homem oito buracos no corpo e três na cabeça. Segundo a polícia, a vítima estava tentando apenas ajudar uma amiga, que foi intimidada pelos criminosos.

A morte

Também no último dia do T In The Park, algumas horas depois do esfaqueamento, uma outra pessoa foi encontrada morta na área do festival, em sua tenda. Ainda não se sabe a causa da morte, mas a polícia acredita que o rapaz (que tinha cerca de 30 anos) não foi assassinado.

O Kaiser Chief Ricky Wilson sentiu a energia do público no Oxegen, literalmente

Passadas essas informações de apertar o coração, vamos as partes legais. Sobre as atrações em geral, prefiro não fazer muitos comentários, já que há pouco tempo fizemos uma resenha bem grande e informativa sobre o Glastonbury – que contou praticamente com as mesmas atrações -, mas não posso deixar de falar sobre os covers do final de semana.

Hot Chip faz Prince

O Hot Chip tocou o já convencional cover de Nothing Compares 2 U, canção que Prince compôs lá na década de 80. O hit foi emendado com The Privacy Of Our Love, uma das mais chatas (na minha opinião) do último álbum da banda, lançado no início desse ano – a versão ao vivo me parece bem melhor. O vídeo de baixa qualidade que você confere clicando aqui é dessa mesma música, mas sendo interpretada em um outro lugar, já que não encontrei nenhuma gravação do T In The Park. Uma pena.

Lou Reed por Echo And The Bunnymen

Recém desembarcados na Europa depois de fazer uma série de shows no Brasil, o Echo And The Bunnymen incluiu a faixa Walk On The Wild Side em seu setlist de 45 minutos, que também foi interpretada em nosso país. A música é originalmente de Lou Reed, e marcou a carreira do músico por ser o primeiro single a ser lançado em sua carreira solo. Mesmo rebatizada como Nothing Lasts Forever pelos Bunnymen, a música é a mesma. Assista ao vídeo:

When You Were Young por Amy MacDonald

Com uma voz mais retumbante do que o normal, Amy MacDonald praticamente incorporou Brandon Flowers para um cover de When You Were Young, do Sam’s Town. A menina tem apenas 20 anos (evite comparações com Adele, Kate Nash, Duffy ou Amy Winehouse), mas mostrou que consegue fazer uma voz grossa e estranha em um estalar de dedos (ou num bater de palmas – entenda assistindo ao vídeo). Se você ainda não havia escutado música alguma da cantora não se assuste, pois ela costuma cantar com uma voz decente (pelo menos não canta em suas composições que já ouvi).

Amy também já tocou o hit Mr. Brightside em outros shows, e você confere clicando aqui.

Além desses, o final de semana foi marcado por Ian Brown cantando um pequeno verso de Umbrella, da Rihanna; Os Manic Street Preachers também fizeram um cover de Umbrella, e mais tarde tocaram Pennyroyal Tea, antigo hit do Nirvana.

Autor: Alex Correa

Fontes: NME / BBC / Jornais locais



Crítica: Made In The Dark (Hot Chip) by Cedric
fevereiro 20, 2008, 4:57 pm
Filed under: Críticas e Recomendações, Hot Chip | Tags: , ,

‘Made In The Dark’ é o mais novo CD do grupo inglês Hot Chip, que já passou pelo Brasil no ano passado. O álbum conta com algumas músicas dançantes e ouras melancólicas (talvez até melancólicas demais), mas superou o ‘Coming On Strong’, primeiro trabalho do grupo.

Poucos minutos depois de apertar o play você já ficará satisfeito: ‘Out At The Pictures’, a primeira faixa do CD, é extremamente cativante. A introdução da música aparentemente tem o objetivo de te deixar no mínimo ansioso para ouvir o resto do álbum (me lembrou um pouco a introdução de ‘Living Is A Problem Because Everything Dies’, primeira música de Puzzle, do Biffy Clyro).

E termina a faixa 1. “Excelente!” foi o que eu pensei. Mas não demorou muito para a minha opinião mudar drasticamente (para melhor). Depois de escutar ‘Shake A Fist’, ‘Ready For The Floor’, ‘Bendable Poseable’ e ‘Touch To Much’ deixei escapar um ruído não-identificado de dentro de mim, que tentou dizer “PUTAQUEPARIUQUECDFODA” ou qualquer outra coisa tão empolgada (e desbocada) quanto.

Mas é uma pena que nada seja tão perfeito assim. Logo na 6º faixa já pude reparar uma queda significativa de qualidade (o que faria o ‘Made In The Dark’ perder o selo de qualidade do MTJ!, se tivéssemos um) que permaneceu por outras 2 faixas.

Percebeu que ainda não falamos da música que deu nome ao CD? Está curioso para ler sobre a ‘Made In The Dark’? Não? Pois vou falar assim mesmo. A faixa com certeza não está entre as melhores do CD, não mesmo. Para ser mais sincero, a música entrou para a minha lista negra do Hot Chip, junto com ‘We’re Looking For A Lot Of Love’, In The Privacy Of Our Love’ e ‘Whistle For Will’.

Porque eu não gostei delas? Muito melancólicas. MUITO mesmo. Não tenho nenhum problema com melancolia nas músicas, mas isso é uma coisa que eu realmente não esperava escutar quando baixei o novo álbum do Hot Chip. Se eu pudesse mudar o nome do CD, provavelmente escolheria ‘Shake A Fist’ ou ‘Ready For The Floor’, mas como não posso mudar, acho que vai ter que continuar assim mesmo.

‘Made In The Dark’ termina com ‘The Privacy Of Our Love’ (uma das músicas que entraram para a minha lista negra, como disse acima). Reformulando a frase: ‘Made In The Dark’ termina mal, com uma das músicas mais chatas do CD.

Pra terminar, uma dica: Quando chegar na última música do álbum, volte para a primeira e escute-o de novo até a 5ª faixa. Dance, cante, pule, fique feliz e depois vá escutar o ‘The Warning’, para continuar feliz.

  1. “Out at the Pictures”
  2. “Shake a Fist”
  3. “Ready for the Floor”
  4. “Bendable Poseable”
  5. “We’re Looking for a Lot of Love”
  6. “Touch Too Much”
  7. “Made in the Dark”
  8. “One Pure Thought”
  9. “Hold On”
  10. “Wrestlers”
  11. “Don’t Dance”
  12. “Whistle for Will”
  13. “In the Privacy of Our Love”

Autor: Alex Correa

 



Glastonbury 2008: Fatos e rumores by Cedric
fevereiro 2, 2008, 4:32 pm
Filed under: British Sea Power, Glastonbury, Hot Chip, The Killers | Tags: , , , ,

Agora é confirmado: Jay-Z vai ser uma das atrações principais do Glastonbury desse ano. Já aviam especulações de que o rapper americano estaria no elenco do festival, com base no que Michael Eavis, organizador do festival, disse em entrevista a radio XFM: “Nesse ano teremos um artista americano negro entre as atrações principais”.

O “negro americano” estará no maior palco do evento, o ‘Pyramid Stage’, no segundo dia de festival, lugar que no ano passado foi ocupado por outros americanos, do The Killers.

Vai assistir ao super festival no site da BBC? Então, prepare-se para ver um músico de 67 anos na sexta-feira. O nome dele? Neil Diamond. Não gosta de diamantes? Pois Hot Chip e British Sea Power também estão na lista de atrações, só que sem data marcada, por ora.

Fatos são chatos, agora vamos nos divertir com os rumores:

Já existem mais de 20 artistas na lista de possiveis atrações do Glasto 2008, a maioria desses foram citados no site eFestivals. Então, vamos aos destaques da longa lista de citações:

A banda do Sting, que esteve no Brasil no ano passado: The Police; Os ingleses do Blur, que devem voltar a se reunir; Os irmãos Gallagher e sua banda, Oasis; Muse, que ganhou dos premios no EMA de 2007; Neil Young e Tom Waits (rumor feito pela Q magazine); Led Zeppelin, que voltaram a se reunir no ano passado; A banda americana R.E.M, que esse ano comemora seu 28º aniversário; E por último mas não menos importante, a cantora dos tablóides Amy Winehouse.

Só nos resta esperar para conferir se os rumores se tornarão fatos.



Lançamentos da semana by Gabriel
janeiro 28, 2008, 11:17 am
Filed under: Hot Chip, Morrissey | Tags: ,

Confira abaixo os lançamentos dessa semana.

Com destaque para os singles do Hot Chip e Morrissey.

Album:

Aim – ‘Hinterland’
Bullet For My Valentine – ‘Scream Aim Fire’
KD Lang – ‘Watershed’
Sons And Daughters – ‘This Gift’

Single:

Blood Red Shoes – ‘You Bring Me Down’
Elliot Minor – ‘Still Figuring Out’
Hot Chip – ‘Ready For The Floor’
Morrissey – ‘That’s How People Grow Up’
Paramore – ‘Misery Business’



Terceiro álbum a caminho by Gabriel
janeiro 14, 2008, 7:50 pm
Filed under: Hot Chip | Tags: , ,

Os ingleses do Hot Chip, que participaram da última edição do Tim Festival, divulgaram alguns detalhes do ‘Made in the Dark’, terceiro álbum do conjunto, com data de lançamento para dia 5 de fevereiro.

Gravado no próprio estúdio da banda e produzido por eles mesmos, o disco ainda conta com duas faixas gravadas ao vivo, em apenas um take, ‘Hold On’ e ‘Out At The Pictures’.

O single, ‘Ready For The Floor’, será lançado em breve, pouco antes do álbum.



Futuros seguidores do Radiohead by alex correa
janeiro 4, 2008, 3:04 pm
Filed under: Hot Chip | Tags: , , ,

O eletrônico Hot Chip declarou que no futuro estará seguindo os passos do Radiohead, disponibilizando os CDs na internet, pelo preço que os fãs quiserem pagar.

Joe Goddard, um dos vocalistas da banda, disse que o principal motivo de ‘fazer o Radiohead’ é escapar da pressão das gravadoras.

No final de Novembro, os irlandeses do My Bloody Valentine também falaram que pretendem abandonar a obrigação de cumprir um prazo e produzir por conta própria.

Hot Chip lançará seu terceiro álbum no mês que vem, ‘Made In The Dark’.