Move That Jukebox!


As Listas da Jukebox by Neto

Textbook

Uma seleção de reportagens que não foram ao ar no Move That Jukebox!, mas que você tem que ler de qualquer forma.

#1. Festivais em Movimento (Set/08)

Adriana Alves, para a Rolling Stone BR

Folheando a vigésima quarta edição da Rolling Stone brasileira – aquela que tem a Amy Winehouse na capa… -, esbarrei com um ótimo artigo que tende a revelar a suspeita e criticada “panelinha” de festivais nacionais que se mantêm fora do circuito cultural Rio-São Paulo. Produtores, bandas independentes e atpe o presidente da Associação Brasileira dos Festivais Independentes comentam sobre a corrente que inclui o natalense Madan, o pernambucano Abril Pro Rock e o Porão do Rock, de Brasília. Para conferir, basta comprar a sua cópia na banca mais próxima ou acessar o arquivo do site da revista, clicando aqui. Ainda dá para ler sobre The Killers, Portishead, Mallu Magalhães e, é claro, sobre a estrela da capa.

#2. Does The World Need Another Indie Rock Band? (Jul/08)

Tim Walker, para o The Independent

Que o artigo é antigo eu sei, mas ainda não chegou nos monitores de muita gente. Usando as palavras certas e sem muitas papas na língua, Tim Walker escreve sobre algo que já estava mais do que na hora de ser comentado: A queda do indie rock. Glastonbury, a velha-guarda e as bandas recém-formadas que não prestam – Tim não abafa na-da. O jornalista ainda usa as citações de um “fã de música indie dos anos 80”, que não deixa de falar sobre a falta de originalidade dos grupos que têm surgido ultimamente. Também é muito questionado o real significado da palavra “indie”, que de uns tempos para cá deixou de ser usado para definir bandas independentes e agora é um adjetivo para as “bandas que usam gravatas skinny, calças skinny e suéteres skinny”. O texto é longo e em inglês, mas você não pode deixar de lê-lo. Só te custa um clique.

#3. Amy Winehouse Pregnant? (Set/08)

Castina, para o Pop Crunch

A matéria não passa de um boato mal fundamentado, que me faz lembrar de uma brincadeira óbvia que fizemos no último dia 1º de abril. Entretanto, o que mais interessa no artigo é uma fotomontagem que fizeram, tentando adivinhar como nasceria um filho de Amy Winehouse com Blake Fielder-Civil. O resultado é interessante.

Por Alex Correa

Music (for a film, a TV series, a soap opera…)

Músicas de Trilhas Sonoras que você não pode deixar passar. Séries, filmes, programas de TV… Não importa – basta ser de qualidade.

#1. New York I Love You But You’re Bringing Me Down

LCD Soudsystem

Lançada em 2007 em um álbum de nome mais curto, a música pode ser ouvida no nono episódio da segunda e curta temporada da série britânica Skins, enquanto a alienada Cassie admira Nova York pela janela de seu táxi, que não tem um destino exato. Uau.

#2. Born Bad

Juliette Lewis

Quando uma curta canção de filme vira uma música em todo o direito que a palavra lhe dá? Confesso que não sei, mas diria que Born Bad é uma música em toda a sua essência. Curioso é que Quentin Tarantino escalou Juliette para cantar esses versos em Assassinos por Natureza (1994), muito antes da atriz lançar seu primeiro trabalho como cantora, o que só veio a acontecer dez anos depois.

#3. Ottoman

Vampire Weekend

Não muito tempo depois de estrear no top 20 da Billboard, o Vampire Weekend já havia gravado Ottoman, que foi ao ar pela primeira vez nesse final de semana – e de um jeito não muito convencional para quem acabou de entrar no complexo mercado fonográfico. Desde o último dia 3, Ottoman vai ao ar nos grandes telões dos cinemas norte-americanos, ao passo que o rosto de Michael Cera fica gravada em um novo personagem: Nick O’Leary, do Nick and Norah’s Infinite Playlist.

#4. Rock of Ages

Ben Kweller

Essa é das antigas. Não que Natural Born Killers seja um lançamento da última semana, mas Rock of Ages é uma música antiga da nova geração, se é que vocês me entendem. Jamais se podê ouvi-la em The O.C., mas ela aparece entre as faixas da terceira coletânea do seriado californiano, The O.C. Mix 3: Have a Very Merry Chrismukkah. Essa, inclusive, foi a única forma de lançamento da faixa, que até hoje não é tão reconhecida como deveria. Está procurando uma boa melodia no violão, uma voz de um jovem cantor e uma música de Natal que não tem nada a ver com Natal para ouvir? Você achou Rock of Ages.

Por Alex Correa

Juicebox: Dicas Musicais Suculentas

Antes de começarmos, um conselho: o melhor e mais consistente disco de rock que eu ouvi em 2008 se chama Dig Out Your Soul e é de uma banda chamada Oasis. Faça um favor ao tédio dos seus dias e ouçam o disco.

Smoosh

É fácil falar do Smoosh especialmente porque é um som fácil de ouvir e de gostar. O Smoosh é um duo americano de duas menininhas que nasceram já nos anos 90. Com idades entre 12 e 14, Asy e Chloe tocam um indie-pop à là Lily Allen, mas com guitarrinhas invocadas que fazem ecos ao som do The Gossip e tem até uma pegada dançante. As menininhas já abriram para o Death Cab for Cutie e para o Pearl Jam (que eu nunca mencionei, mas é minha banda preferida de todos os tempos). Ouçam a pegada Bloc Party pop (no primeiro disco, pelo amor de deus) de Find a Way.

X-Wife

A sensação de achar uma banda muito boa é… muito boa. E quando acontece por acaso é mais eufórico ainda. Mas nenhuma banda apareceu tão do nada na minha frente quando a X-Wife. Eu fui abrir casualmente minha pasta de downloads do Firefox e lá estavam não um, mas DOIS discos dessa banda. Baixados. E mais ninguém usa minha máquina. Eu não me lembro de ter baixado. Na verdade, nunca tinha ouvido falar desse nome. Resolvi escutar e a surpresa foi boa – achei sensacional. Pesquisando, descobri que eles são de Portugal, apesar de cantarem em inglês. É pra quem já imaginou uma mistura de Strokes com Rapture. Um dos sons mais legais que descobri nos últimos tempos. A excelente On The Radio dá uma idéia.

Los Porongas

Nunca tinha escutado o Los Porongas porque o nome parecia ser de alguma daquelas bandas que misturam som brasileiro com rock. Tipo… Nação Zumbi. Nada contra Nação Zumbi, mas já existe o Nação Zumbi para fazer isso então eu não preciso de outras. Enfim, o nome me enganou. Apesar de rolar uma pegada de som brasileiro eventualmente, Los Porongas tá mais para rock alternativo, mesmo. Não consigo comparar com nada, desculpem. Talvez Hurtmold, mas é menos experimental e eles têm letras (excelentes, aliás). O Los Porongas entrou fácil para o meu TOP 5 de bandas brasileiras e fazem parte da (dizem efervescente) cena Acreana. Sim, porque o Acre não só existe, como produz bandas incriveis. Veja Espelho de Narciso, ao vivo.

Por Ana Freitas

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Adoro essa coluna juicebox, sempre gosto de pelo menos uma das 3 bandas indicadas!
Dessa vez foi Los Porongas, apesar da comparação óbvia com Los Hermanos me surpreendi. Pela qualidade e pela localidade da banda! rs…

Talvez por eles estarem mais longe do funk carioca ou de bandinhas como nx zero, acabaram conseguindo se salvar.

Comentário por Fellipe




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: