Move That Jukebox!


Entrevista: Móveis Coloniais de Acaju by Gabriel
julho 27, 2008, 11:05 am
Filed under: Móveis Coloniais de Acaju | Tags:

Com dez anos de carreira e milhares de cópias vendidas no seu primeiro disco, Móveis Coloniais de Acaju já é destaque em Brasília e dispensa apresentações. Além de proporcionar boa música e ser reconhecida no cenário alternativo brasileiro, a banda também se apresenta ao lado de grandes nomes internacionais, consolidando-se como um dos principais nomes brasileiros da atualidade.

Depois de tantos anos na estrada, eles se preparam agora para o gravação do segundo disco, com produção a cargo de Carlos Eduardo Miranda. Antes disso, apresentam-se no festival belgo Pukkelpop, ao lado de Sigur Rós e The Killers.

Para saber mais sobre essa feijoada búlgara, disco novo, porão do rock e espectativas para o Pukkelpop, confira abaixo a entrevista realizada com Paulo e Esdras, saxofonistas do grupo.

Como vocês reuniram essa “feijoada búlgara” humana que é o Móveis? E nesse tempo todo, nunca rolou briga?

Esdras: A Feijoada veio da mistura, aconteceu naturalmente de nos encontrarmos e pintar a afinidade musical, se não fosse pela música acho que nunca nos trombaríamos, somos muito diferentes. Briga rola, mas o amor é maior.

Paulo: Não muitas [brigas], geralmente rola morte mesmo, inclusive tem alguns corpos escondidos por ai!

Na lista de influências da banda constam nomes como Elvis Costello, Franz Ferdinand e Jorge Ben. Além desses, o que os integrantes gostam de ouvir?

Esdras: Eu gosto muito de música brasileira instrumental, choro, Hamilton de Holanda, tem os Chicos, coisas de sopro, e as bandas que a gente conhece na estrada, Pata de Elefante, Los Hermanos, Ronei Jorge, Proto, cada um chega com um disco diferente por ensaio, é quase isso.. Descontrolados..

Paulo: Eu adoro Nelson Gonçalves.

Qual é a sensação de ver uma grande platéia cantando suas músicas?

Esdras: É a melhor possível, mais que lindo.

Paulo: É o sonho de qualquer artista, exceto BBB’s.

O sucesso em Brasília é inquestionável. Qual a principal diferença entre o público brasiliense e do restante do país, se é que existe?

Esdras: Aqui estamos literalmente em casa, nossa família vai aos nossos shows por aqui, isso é uma grande motivação, começamos por aqui, crescemos aqui né? MAs em todos os lugares os shows tem sido bem maneiros..

Paulo: Cada um tem sua característica, mas em geral o carinho é o mesmo.

Em agosto vocês tocam no festival belga Pukkelpop, junto com The Killers, Bloc Party, Sigur rós e muitos outros. Como rolou o convite para o Móveis e quais são as expectativas da banda para esse show?

Paulo: Cara, foi atrás de uma apresentação da Abrafin [Associação Brasileiras de Festivais Independentes].

Esdras: O produtor do Pukkel nos chamou depois de assistir nosso show em Goiânia. Simples né? é até engraçado, como as coisas acontecem.

No mesmo mês, a banda promoverá 3 dias de Móveis Convida, com 10 diferentes bandas. Como é o processo de escolha das bandas que irão participar do evento? Exitem planos de extender o Móveis Convida para outros estados brasileiros?

Esdras: Pode ser né? Por enquanto estamos pensando em crescer o festival em Brasília. O Convida é nossa menina dos olhos, as bandas a gente que escolhe, por afinidade sonora, geralmente temos uma grande Jam Session nos finais, é uma maravilha..

Paulo: Sempre nosso plano é conquistar o mundo, inclusive outras galaxias também.

Ano passado vocês lançaram um EP ao lado de Gabriel Thomaz (guitarrista do Autoramas), chamado ‘Vai Thomaz do Acaju’. Agora no mês que vem vocês se apresentam no Porão do Rock ao lado do músico. Quais são as diferenças do ‘Vai Thomaz do Acaju’ para o Móveis, além da presença de mais um músico?

Esdras: É uma homenagem à música de Brasília que a gente gosta de escutar, sempre perguntam por Capital, Legião, Plebe, a gente respeita e até curte, mas não era fà como de Little Quail, Maskavo roots, Raimundos., Além do Gabriel, nesse show teremos o Pinduca(guita), Txotxa(batera), MArcelo Vourakis(voz), da primeira formação do Maskavo Roots, aquele disco é demais! e Rafinha( guita do Bois de Gerião). Vai ser uma farra boa..

Paulo: Acho que tentamos fazer uma coisa mais sedimentada e com características mais próximas das outras bandas tocadas no vinil [O Vai Tomaz No Acaju foi lançado apenas em vinil] com pitadas movelísticas.

A roda de Copacabana é um dos pontos fortes do show. De onde surgiu a idéia de realizá-la?

Paulo: O Esdras explica.

Esdras: A gente tava tocando em Goiânia, num show muito vazio, tínhamos terminado de comprar nossos mic com transmissores e resolvemos descer ali naquela hora. Colou, hoje é um dos pontos altos do show..

Belo Horizonte – 11 de Abril

O contato da banda com o público é muito intenso. Além do laboratório de testes que são os shows, alguns integrantes chegam até a interagir com os fãs por meio do orkut. Como isso interfere no processo de criação?

Esdras: A gente participa com o público do show, tem que ser natural. É tudo uma troca de boas vibes né?

Paulo: É sempre bom saber a opinião de quem gosta e até de quem não gosta… você já viu o “eu odeio móveis” no orkut? Muito bom… (risos)

O produtor do segundo disco de vocês, Carlos Eduardo Miranda, é conhecido como um dos melhores do país. Como está sendo trabalhar com ele e a quantas anda o disco novo? Já estão pensando em um nome ou mês de lançamento?

Esdras: Deve sair no final do ano, com ele a vibe é boa e natural. Ele é bom mesmo, tem ajudado bastante a gente nesse processo. Ainda não temos um nome para o disco, alguma sugestão? (risos)

Paulo: Bom papo, boas músicas e bons pratos: só podemos esperar coisas boas.

Autor: Gabriel Zorzo

Anúncios

6 Comentários so far
Deixe um comentário

Uma das minhas bandas nacionais favoritas.

Comentário por Guilherme Yamamoto

Viva a roda de Copacabana. \o/

Comentário por kátia

cara, eu gosto tanto de móveis. *-*
agora eu lembrei uma pergunta: quantos quilos eles perdem por show?
porque quando eu fui eu devo ter perdido uns 2kg.

Comentário por thaís

Sempre alto astral! esse é o móveis!

Comentário por Xi and Nina Cairo

são maravilhosos!
amo e dá orgulho ser de brasília.

Comentário por Carla

valeu lilo gostei

Comentário por flavio




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: